Poeta André Vasconcelos

Poeta André Vasconcelos
Mensageiro Natural de coisas Naturais

quarta-feira, 27 de março de 2013

Desigual

    Desigual...

A alma pesou no corpo.
O corpo pediu socorro.
Mas não existiu.
Aquele que dissesse...
Eu te ouço...

Uma forma inveterada.
De uma solução bem maltratada.
De um riso ou um toque, sem causa.

É a voz em conflito com a alma
Uma grita e a outra pede calma.
É o engano do despertar.
A gente silencia e o outro quer falar.

Quando preciso.
Dizem...
Não ouço.
Quando precisam
Sou o socorro.

É o jogo desigual...
E que tanto acha natural.
Que são seres vivos...
Porem faz-se
Irracional...



Autor – André Vasconcelos

4 comentários:

Germano Gonçalves disse...

Amigo das letras é verdade, desigualdade em toda parte, bela poesia, gostei mesmo valeu!

@Jeffionne disse...

Boa Andrézão... Show de bola! infelizmente os "Desiguais" é uma doença que assombra os arredores.

@Jeffionne disse...

Boa Andrézão... Show de bola! infelizmente os "Desiguais" é uma doença que assombra nosso arredores.

@Jeffionne disse...

Boa Andrézão! transcreveu a triste realidade e doença social na qualidade de seus versos... Parabéns.