Poeta André Vasconcelos

Poeta André Vasconcelos
Mensageiro Natural de coisas Naturais

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

A Arma Falada

A Arma Falada


Deixei um aviso...

Um aviso eles me deixaram.

Eu me expressei repudiando

E eles deixaram o seu legado.


Nunca fui tão desleixado.

Sempre me chamaram de relaxado.

Mas eles nunca lutaram por um trocado.


Não sabem o que é ônibus lotado.

Ver seu descendente a mais de 27 anos deitado.

Sem poder se levantar ou falar.

Ao menos chutar a bunda de quem incomodar.


Deixo um aviso.


Meu mestre desistiu de viver...

Fraco ele, por um segundo pode ser...

Mas não seria um valente.

Daqueles que a si mesmo desafia.


Ele nem deixou um aviso...

Mas eu sim...

Deixo um aviso.


Sou o mesmo menino...

Que jogava bola descalço e estourava o dedão.

Mas não confunda a vida não é diversão.

E se desistir será um fraco então?

Talvez não.


Deixo um aviso...


As guerras chegam, sofremos, mas nunca passamos do chão.

Levantamos vestimos novamente a roupa da guerrilha com muita munição.

Avisa lá...

To chegando quem não agüentar pode deitar...

A poesia ta sendo usada não só pra recitar...


André Vasconcelos

5 comentários:

Tracy Ellen disse...

a luta é difícil, mas não significa que não ganharemos né, curti sua poesia .

Extremos Atos disse...

A palavra como arma.
Eh o aviso.
Forte guerreiro da periferia mando as balas cada vez mais reais.

Poeta Alcalde disse...

Mano André mandando cada vez mais realidades

Vander disse...

... mas também pra PROTESTAR.

BOA MENINO...

Vander disse...

VAI QUE VAI MEU PARCEIRO.